Estudo de Projeto Modelo

Aeroporto de Maricá-RJ

Ficha Técnica:

"Seria possível pensar em uma arquitetura do tempo, mais do que do espaço? Uma arquitetura cujo o objetivo não seja apenas ordenar o espaço, mas organizar o movimento e a duração?"

(SOLA-MORALES, 2003, P.126) Arquiteto catalão.

"Aeroportos são marcos que carregam memória, identidade e história, que também permitem celebrações espontâneas da vida em comunidade.

Cesar Pelli- Arquiteto Argentino

Curiosidades sobre o projeto:

*Foi projetado para ter conceito máximo com foco em conseguir uma indicação ao Opera Prima, maior concurso de projetos de arquitetura do país, indicação foi conquistada com a maior nota da banca;

*O projeto ficou arquivado desde julho de 2017, pois uma das regras do concurso prevê eliminação imediata em caso de veiculação em mídias antes do concurso, porém devido a crise econômica de 2016, acarretou perda de patrocinadores, o concurso foi suspenso sem data para retorno.

* Faltando 30 dias para banca final, cerca de 60% do projeto foi perdido devido há um mal funcionamento de equipamento, tendo que ser refeito.

Área total do empreendimento:101.122,00m²

 

Programa:

*Shopping Center (128 lojas satélites, 3 megalojas, 3 lojas âncoras, 65 quiosques, e 2 salas de cinema);

*Hotel (88 quartos de 35,00m²)

*Estacionamento (35.000 m², 747 vagas)

*Aeroporto (19 portões de embarque/ desembarque)

*Parque interno com árvores nativas  (8.750,00m²)

Data do projeto: Jul 2017

Projeto:

Arquitetura: Leo Mattos Arquitetos

Orientador: João PC Machado                    

Introdução

 

Diante do atual quadro urbanístico da cidade do Rio de Janeiro, engarrafamentos, poucos estacionamentos, transporte coletivo de baixa qualidade, e inúmeras convergências de pessoas de municípios vizinhos, são motivações possíveis de notar que fortalecem a necessidade de mudanças nos hábitos dos cidadãos da região metropolitana do estado, pois esta região do Rio de Janeiro é incrivelmente densa, e existe um grande fluxo de pessoas diariamente ao centro do município do Rio de Janeiro.

 

No que se refere a aeroportos, segundo análise preliminar, o quadro não muda, segmentaria este grande fluxo populacional em 2 faixas, os que se destinam ao centro do Rio, rumo ao Aeroporto Santos Dumont, e um outro grupo, ainda maior, que se destina ao Aeroporto do Galeão. No entanto existe um agravante em relação a estes fluxos, que é a acessibilidade dos municípios da região metropolitana que ficam do outro lado da Baía de Guanabara. Além da distância, um fator mais relevante a se considerar é o padrão existente de fluxos neste sentido com outras finalidades, ou seja, muitos usuários se deslocam diariamente por este percurso, deixando este trajeto ainda mais sobrecarregado.

Maricá

153 008 Habitantes.

R$ 868,95 per capita

São Gonçalo

1 044 058 Habitantes

R$ 640,71 per capita

Região metropolitana

à Leste da Baia de Guanabara

Niterói

495 470 Habitantes

R$ 3.037,30 per capta

Itaboraí

225 263 Habitantes

R$ 565,20 per capita

Fatores Relevantes

*Incentivo federal para cidades com + de 150 mil habitantes.

*Novo porto de Jaconé- Maricá

*Expansão Imobiliária de Niterói

*Migração nobre de São Gonçalo

*Integração COMPERJ

*Empresas diversas na região

*Popularização do transporte aéreo

Com base neste conceito de distancia e dificuldade de acessibilidade, aliados a outras questões menores, se viu a necessidade da criação de um aeroporto que tivesse sua base ainda na região metropolitana, mas que atendesse prioritariamente o lado Leste da Baia de Guanabara, Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, e de preferencia em um munício em desenvolvimento, com acesso fácil e que já houvesse um aeroporto em condições de ser ampliado, de forma a receber os voos domésticos e que pudesse se integrar urbanisticamente ao centro da cidade, desta forma aliviando o fluxo das barcas e Ponte SA.

 

Dentro das características mencionadas se identificou na cidade de Maricá a possibilidade de implantar este projeto, uma cidade que divide fronteiras com os principais municípios da região, tais como Niterói, São Gonçalo, Saquarema e Itaboraí. Estes somados abrigam diversas empresas, universidades, etc.

Público Alvo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Programa

O projeto teve um programa extenso, irá funcionar em sua essência como aeroporto, mas o conceito principal é fazer do aeroporto um local de convivência, um lugar amigável para a permanência de pessoas, sejam passageiros, funcionários, sejam curiosos, tornando-o um dos pontos turísticos de Maricá.

 

Sendo assim, o projeto será de um aeroporto, porém contará com um mini Shopping Center, hotel, um parque no térreo e cobertura, e também terá uma função de mirante, este projeto visa ainda um planejamento de integração urbana, com requalificação do entorno de forma a favorecer a acessibilidade e fluxos deste novo modelo arquitetônico.

Inclusive é necessário ressaltar que a manutenção de toda infraestrutura de um objeto arquitetônico deste porte é muito alta, e com isso os itens complementares irão ajudar a financiar a sustentação econômica de toda a estrutura, o gráfico abaixo representa importância de cada item a nível econômico, e a proporção volumétrica de cada objeto integrado ao aeroporto.

 

 

 

 

 

 

 

A Cidade, Terreno e Acessos

Maricá é um município da Região Metropolitana do estado do Rio de Janeiro. O acesso ao município pode ser feito tanto pela RJ-106 (Rodovia Amaral Peixoto), que liga o município às cidades de Niterói, São Gonçalo e Saquarema, quanto pela RJ-114, que faz a conexão com o município de Itaboraí e as rodovias RJ-104 e BR- 101. O município de Maricá também é conhecido por suas propriedades rurais,
chácaras e grandes fazendas, muitas delas ricas em conteúdo histórico. O trem também já passou pela cidade ainda hoje se encontram resquícios daquela época, como estações, trilhos, um túnel e uma ponte no bairro de Inoã, com a inscrição da Estrada de Ferro Maricá.

A Serra da Tiririca, entre Maricá e Niterói, é um parque estadual com um valioso trecho de mata atlântica. A Área de Proteção Ambiental Estadual de Maricá é uma área tipicamente de restinga, localizada na costa do município. É formada pela antiga fazenda São Bento
da Lagoa, a Ponta do Fundão e a Ilha Cardosa. Abriga a Comunidade Pesqueira tradicional de Zacarias, presente na área desde o século XVIII, sítios arqueológicos e o complexo ecossistema de restinga. Este último é formado, entre outros componentes, por tabuleiros costeiros, um duplo cordão arenoso coberto por dunas, brejos, vegetações e fauna de restinga. A sua construção promoveu a constituição do sistema lagunar Maricá-Guarapina pelo fechamento da antiga enseada. Possui, ainda, uma grande área urbana de ocupação rarefeita e formada por dezenas de bairros e condomínios. A maior parte dos domicílios é de uso permanente, sobretudo no Centro da cidade e nas localidades mais antigas. Nas áreas do litoral e nas margens das lagoas, as residências são majoritariamente utilizadas para o turismo do tipo veraneio.

Aeroporto Internacional do Galeão

Aeroporto Santos Dumont

Aeroporto Internacional de Cabo Frio

Aeroporto de Jacarepaguá

Aeroporto de Macaé

Aeroporto Integrado de Maricá

+ de 20 milhões 

ao ano

+ de 8 milhões 

ao ano

+ de 50 mil

ao ano

+ de 400 mil

ao ano

+ de 200 mil

ao ano

Projeção + de 4 milhões 

ao ano, capacidade de até 12 milhões ao ano

cerca de 3 milhões passariam para Maricá

cerca de 1 milhão

Aeródromo

Parques

Hotel

Estacionamento

Shopping

ZE 01

ZONA DE ESPECIAL INTERESSE AEROPORTUÁRIO

AERÓDROMO EXISTENTE PRÓXIMO AO CENTRO

A cidade de Maricá, conforme comentado previamente tem mais um facilitador, já existia um antigo aeródromo, que poderia ser aproveitado e requalificado para a legislações atuais, e outro facilitador é que esta região já faz parte do plano diretor da cidade como área de interesse aeroportuário, o que facilita bastante no ato das decisões projetuais, e tendo respaldo legal para desapropriações por medidas de segurança e conforto ambiental.

Zoneamento da Cidade

ZE 1 -   Zona de Especial Interesse Aeroportuária

ZIC 1 -  Zona de Interesse Comercial Aeroportuária

ZR1U -  Zona Residencial

Situado as Margens da RJ 104, a acessibilidade ao novo Aeroporto de Maricá á bastante favorável, pois esta RJ 104 tem ligação direta com Niteroi, São Gonçalo, Itaboraí e até mesmo com o Rio de Janeiro, e se houverem interessados da região dos lagos, como saquarema, o acesso também é um facilitador. 

Inclusive hoje com a possibilidade de ligação direta com o arco metropolitano com a RJ114.

Chegando a conclusão que todo o acesso ao aeroporto acontecerá a partir da RJ 104, cheguei a conclusão que criar um acesso alternativo, ignorando a 1º entrada para o centro de maricá, e criando um novo acesso, e criando uma ligação direta com a via principal de acesso, e esta nova via irá gerar diversas desapropriações, devido inicialmente ao seu alargamento na Rua Ivone Cardoso, que passaria a ser uma avenida com 6 faixas (sentido duplo)  e ciclovias. Na ligação com a Avenida Vereador Sabino da Costa, ocorrerá um corte maior e novas desapropriações, estas necessárias por medidas de segurança segundo novas legislações, que serão apresentadas na apresentação do projeto.

Tráfego Intenso

Alternativa

Conceito

O conceito em sua plenitude terá que ser funcional, contextual e plástico, prioritariamente nesta ordem. O município de Maricá por ser jovem não possui uma linguajem arquitetônica totalmente definida ou mesmo história profunda de colonização com casarões, palácios tradicionais e afins, sua história está se escrevendo neste momento, com base neste dado e em toda sua identidade orgânica, visto que o município é um dos maiores sítios naturais em zona urbana do Estado, irá ter o planejamento cuidadoso e respeitoso com este conceito contextual.

 

E sobre a função, esta deverá ser plena em todas as suas necessidades, possibilitando a acessibilidade mais rápido e objetivo ao principal objeto arquitetônico, aeroporto, é comum aeroportos terem acessos aos portões desvirtuados, em detrimento da velocidade de embarque, geralmente motivados pela ganância comercial, que força os passageiros a transitar pelas lojas, como já mencionado, aeroportos tem uma manutenção muito custosa. No entanto nosso aeroporto não será dependente exclusivamente de lojas satélites aeroportuárias, mas terá um grande shopping, mirante, hotelaria, parques naturais, sendo alto suficiente economicamente, pois o aeroporto é integrado a diversos interesses, não apenas o interesse de ir e vir, como a grande maioria dos aeroportos do país.

Aeroporto

Fluxo

Cidade Grande

Velocidade

Movimento de Massa Fluido

Objetividade

Automatismo

Multiplicidade de Interesses

Fixo

Cidade de Interior

*Homens Lentos

Individualidade, Interesse Pessoal

Avaliação

Experimentação

O projeto é um diferencial em relação aos estudos projetados para aeroportos anteriormente, pois foi dada uma observação do comportamento da arquitetura e sua influência em espaços de fluxo de grande quantidade de pessoas, e  foram adotadas medidas para maximizar estes comportamentos. O grande deslocamento de pedestres, quando previsto antecipadamente, tem que interferir na concepção arquitetônica dos espaços, basta observar os padrões dos corpos em movimento em ambiente de multidões, é como fluido, água escorrendo por entre canos, e o grande objetivo deste projeto não é buscar uma solução, ou criar uma regra para doutrinar as pessoas para onde se deslocar, mas usar as melhores formas possíveis de identificar estes padrões, e assim projetar as melhores ferramentas para que a arquitetura seja eficiente para esta multidão que quer viajar, mas ao mesmo tempo seja confortável, para as pessoas que querem ficar e apreciar o lugar.

Segundo dissertação de mestrado de arquitetura na USP, de Ulisses Demarchi Silva, em 2014, Arquitetura em espaços de fluxo, existem variáveis padrões de fluxo de multidão observáveis, destaco abaixo alguns destes padrões:

 Deslocar-se ao destino (definimos objetivo visual, e vamos em direção linear);


 Deslocar-se evitando colisões (caminhar observando objetos e obstáculos, desviando);


 Estratégia mínima de esforço (escolher caminhos que as vezes mais longos, porém mais confortáveis, rampas e escadas rolantes);


 Fenômeno de ir com a multidão, ou pastoreio (ato de seguir o fluxo de pessoas, presumindo um destino comum);


 Fenômeno da Reunião (sentimento de segurança, agrupamento de pessoas por medo de algo)


 Efeito de Grupo, pessoas que se reúnem para ajudar ( aproximação por empatia e curiosidade)

Retrocesso, (andar para trás, de onde veio, voltar há um local perigoso, tentativa de ajuda);


Comportamento de Parentesco, (agrupamento de familiares em situação de risco).


Arqueamento, (desenho formado pelo fluxo simultâneo de pessoas para 1 ponto de convergência);


Efeito Gargalo, (efeito de aglomeração e diminuição de velocidade em ambiente que se afunilam);


Efeito de redução da velocidade, (adensamento de pedestres faz diminuírem a velocidade, ou cruzamento);


Efeito de canto,( aglomerações evitam caminhar perto demais das quinas);

Ondas de choque, (ambiente com grande concentração de multidão, com baixa velocidade a atritos);

.
Formação de vias de pedestres, (quando o deslocamento excesso o valor crítico, e os fluxos opostos se auto organizam);


Mais rápido é mais lento, (quanto mais rápida a movimentação das pessoas para saírem, mais lento será a evacuação);


Pânico, (estado em que o pedestre fica anormal e ansioso, afeta seu poder de decisão);

“Considerando o corpo em movimento, vê-se melhor como ele habita o espaço (e também o tempo), porque o movimento não se concentra em submeter-se ao espaço e ao tempo, ele os assume ativamente, retoma-os em sua significação original, que se esvai nas banalidades das situações adquiridas.”(MERLEAU-PONTY, 2004, p.149)- Filósofo francês


Ele sugere que o movimento das massas na contemporaneidade, a velocidade em busca de mais tempo, esvai a experiência da percepção do agora, e consequentemente do espaço que habita.

Já o pensamento de Sola Morales, busca opor o conceito estático e sagrado do lugar para propor a noção do lugar como fluxo, como dinamismo, conjunto de acontecimento, encontro de energias.

 

Seria possível pensar em uma arquitetura do tempo, mais do que do espaço? Uma arquitetura cujo o objetivo não seja apenas ordenar o espaço, mas organizar o movimento e a duração?
(SOLA-MORALES, 2003, P.126) Arquiteto catalão

Milton Santos, geógrafo brasileiro, tem uma abordagem mais técnica, espaços de fixo e espaço de fluxo, ele destaca que ao mesmo tempo que a contemporaneidade relativizou o espaço, o lugar ganha importância, e o ideal é compreender esta complexidade, e relacionar o “homem lento” com a velocidade e os fluxos apresentados nos estudos de Sola. 

Homem Lento segundo Milton, figura humano do comum, do lugar, que vivencia o lugar, contraposição ao homem da velocidade

Por sua vez o movimentos das multidões dentro de uma arquitetura ocorre como Fluido...Dinâmico... uma Arquitetura líquida.
(vide estudos de Marcus Novak, transarquiteto), e começa a estabelecer através destes, estudos de arquitetura líquida, dinâmica dos fluídos, projetos digitais de ordem paramétrica, onde objetos são modificados através destes “parâmetros”, influenciando no resultado formal do objeto. Uma arquitetura parametrizada pelos corpos em movimento, pela diversidade e singularidade de cada pessoa em meio a uma multidão.


...porquê o movimento do corpo ainda é relegado um papel secundário no planejamento???

Movimento é fluído, Dinâmico, líquido, vide estudos de Markus Novak, Transarquiteto

...porquê o movimento do corpo ainda é relegado um papel secundário no planejamento???

Definição da Categoria do Novo Aeroporto

Para a definição da categoria do Aeroporto deve ser considerado a dimensão da pista deste, e no caso do aeroporto de Maricá, ele seria convertido para a categoria 3C, para pistas que tenham entre 1200m e 1800m, visto que estremo aumentando o tamanho e condições de frenagem. Esta categoria de aeroporto comporta no máximo um Boing 757-200, e estes modelos são usados apenas para voos domésticos (dentro do Brasil), para voos internacionais a pista deveria ser maior do que 1800 m ou aviões com novas tecnologias melhorando sua capacidade de frenagem.Abaixo uma lista com os aviões mais utilizados no brasil, dos quais teriam a capacidade de aterrissar neste aeroporto. 

Fonte: Legislação RBAC  (Regulamento Brasileiro da Aviação Civil) 154 ANAC, de 29 de setembro de 2011

Legenda:

Env (m)- Envergadura em metros

Comp. (m)- Comprimento em metros

POV - Peso Operacional Vazio

PMD - Peso Máximo na Decolagem

PMA - Peso Máximo na Aterrissagem

Ass. - Número de Assentos

Carga (T) - Carga em Toneladas

PP (m) - Profundidade mínima da Pista

EX - Necessidade de piloto experiente (sendo N- Não e S- Sim)

 

Um Aeroporto Doméstico

Para Aviões de Pequeno e Médio Porte

Influencia do Ventos

o vento é um fator determinante para a criação de um projeto de aeroporto, e obviamente neste nosso estudo de caso não poderia ser negligenciado, o ideal é que o vento seja sempre de proa, tanto na aterrissagem, quanto na decolagem, por este motivo o sentido de decolagem geralmente é sempre o mesmo.

Foi necessário um levantamento preciso para saber se a posição da pista existente no aeródromo de Maricá estava de acordo com as normas da aviação no que se refere a orientação, e se constatou que o aeroporto de Maricá está em uma situação bastante intrigante no que se refere a ventos, ele possui variação de quase 50º em sua direção, segundo levantamento feito pelo windfinder, sendo cerca de 50% á 112º, És - Sudeste, e cerca de 50% a 247º, Oés-Sudoeste, este último ângulo é o angulo da pista existente, dada esta necessidade criamos uma pista complementar, cruzada, para que não tenhamos incidência de vento cruzado a 112º, esta pista terá dimensões maiores que a existente, 1400m, porém menores do que a extensão projetada, que será de 1800m.

Este tipo de situação não é exclusiva do aeroporto de Maricá, diversos aeroportos pelo mundo adotaram a mesma medida de cruzamento de pistas para garantir a segurança da aterrissagem em dias de variação de vento, afinal... o impacto econômico para a cidade com um aeroporto fechado seria enorme.

A origem dos ventos influencia diretamente na criação das pistas

Biruta, indicador visual que auxilia os controladores

Conforme mencionado, a direção dos ventos impulsionou nossos estudos para a criação de uma nova pista cruzando a existente, que foi ampliada, devido as melhores condições de acesso ao Aeroporto, foi criado um acesso especial com faixas em grande proporção diretamente a RJ 104 e a Avenida Vereador Sabino da Costa, com isso é necessário dissertar sobre o dimensionamento destas novas pistas, de forma que sejam não somente eficientes no que se refere a fluxos, mas que sejam seguras, seguindo rigorosamente as normas e legislações existentes sobre o tema.

RJ 104

Avenida Vereador Sabino da Costa

RETORNO

Rua Ivone dos Santos Cardoso

IMPLANTAÇÃO

Pistas de Pouso e Decolagem

O dimensionamento das pistas segue os parâmetros relacionados a categoria do aeroporto, o dimensionamento para o nosso caso especificamente é de 1800,00m na pista 01, com 30 metros de largura, e na pista 02 1400,00m também com 30 metros de largura.

A numeração das cabeceiras é definido através do ângulo da cabeceira em relação ao pouso, ou seja, quando o avião toca o chão na cabeceira ele está indo em direção há um angulo específico, em relação aos 360º, este ângulo oposto será o número da cabeceira, porém sempre se retira o último numero, pois a cabeceira deve ter apenas 2 dígitos por convenção.

Pistas de Rodagem

São as pistas que existem para permitir o acesso entre as pistas de pouso, área do terminal e áreas de serviço, são necessárias para evitar conflitos  entre aeronaves operantes, ajudando na logística de pré vôos, é imprescindível que as pistas de taxi não cruzem as pistas de pouso, servem também para minimizar o tempo de ocupação da pista de pouso nas operações de chegada.

Baias de Espera

Localizam-se próximo as cabeceiras da pista para aeronaves no aguardo de autorização para decolagem e/ou para "checks" finais antes dos vôos, deve ser suficientemente grande para permitir manobras de ultrapassagem e para acomodar 3 ou 4 aeronaves em tamanho mais crítico.

Antecampo ou Pátio de Aeronaves

Local para manobras, acoplagem e taxiamento das aeronaves até a chegada aos portões, o ideal projetual é que seja o minimo possível para taxiamentos, e evitar localizações sob trajetórias de aproximação e decolagem de aeronaves.

Faixa de Pista-  Zona de Proteção do Aeródromo

Plano que envolve a pista de pouso e decolagem e tem, em cada ponto, a altitude do ponto mais próximo situado no eixo da pista ou no seu prolongamento. Com a finalidade de proteger as aeronaves no solo em caso de saírem da pista durante a corrida realizada após o pouso e para a decolagem. De acordo com a categoria estabelecida para este aeroporto, 3C, com aterrissagem por auxílio de equipamentos (CAT III) em 3 cabeceiras,67, 29 e 24, pois cabeceira 11 somente terá aterrissagens por vôos manuais, devido a ter um morro no trajeto há alguns quilômetros, esta faixa terá 300m de largura, esta dimensão é determinante para a definição do afastamento da pistas de taxiways, definição do pátio de aeronaves e também algumas desapropriação no entorno do aeroporto.

FAIXA DE PISTA

FAIXA DE PISTA

Superfície de Aproximação-  Zona de Proteção do Aeródromo

Superfície que se estende em rampa, no sentido do prolongamento da cabeceira da pista de pouso e decolagem, a partir da faixa de pista, e tem a finalidade de definir a proporção do espaço aéreo que se deve manter livre de obstáculos a fim de proteger as aeronaves durante a fase final de aproximação para pouso. O ponto de encontro entre o cone amarelo e vermelho o limite de altura de qualquer edificação não pode ultrapassar 8 metros, morrendo a 0 na cabeceira, e a no final do cone vermelho não poderá ser superior a 28 m de altura, morrendo a 8 metros no encontro entre o amarelo e vermelho. Este tipo de estudo é de grande importância, pois cria limites construtivos no plano diretor da cidade no entorno do aeroporto, que no caso de Maricá, que houve crescimento desordenado irá se converter em novas desapropriações. Este sentido é o mais crítico, as outras cabeceira não encontram problemas, somente limitadores para o futuro.

Superfície Cônica-  Zona de Proteção do Aeródromo

Superfície que se estende em rampa de 20:1 para fora dos limites externos do aeroporto da área horizontal interna, com a finalidade de proteger o circuito de tráfego visual do aeródromo e as manobras que antecedem a aproximação e o pouso, dentro deste limite o recomendado é que os obstáculos não superem 45 metros de altura, salvo exceções, esta informação é importante para ajustes e garantias do plano diretor do entorno imediato.

*Ainda existiam novos cálculos e levantamentos de seguranças  relacionados ao deslocamento de aeronaves, necessários para serem feitos, que também influenciariam no plano diretor da cidade, tais como superfície de transição, de pouso interrompido, horizontal interna, etc.

 

Porem neste ponto da pesquisa, a banca de mestres arquitetos solicitou que os estudos fossem direcionados ao desenvolvimento do terminal de passageiros, pois a base apresentada até o momento já era suficiente para ter viabilidade projetiva.

Cidades com aeroportos devem possuir verticalização limitada

Obrigados por leis federais de segurança

Plano de Zoneamento de Ruído

Documento de aplicação genérica ou específica em aeródromos, que estabelece restrições impostas ao aproveitamento das propriedades quanto ao uso e a ocupação dentro das zonas de ruído de um aeródromo.

 

A legislação que rege sobre o plano de zoneamento de ruídos de um aeródromo é a estabelecida pelo RBAC 161 da ANAC, de 29 de setembro de 2011.

este plano tem como objetivo representar geograficamente a área de impacto de ruído aeronáutico decorrente das operações nos aeródromos e, aliado ao ordenamento adequado das atividades situados nessas áreas, a ser o instrumento que possibilita preservar o desenvolvimento dos aeródromos em harmonia com as comunidades localizadas em seu entorno.

PROJETO_AEROPORTO_MARICÁ-_zoneamento_de_

65 decibéis

75 decibéis

Prevenção ao ouvido humano (Tempo Máximo de Tolerância)

8 hrs - 85 decibéis

4 hrs-  90 decibéis

2 hrs- 95 decibéis

45 minutos – 100 decibéis

30 minutos – 105 decibéis

Para este mapa que está dentro dos 75 decibéis é recomendado ser convertido para área comercial, pois o trafego dos aeroportos são de praticamente 24 hr, e a tolerância do ouvido humano não conseguiria suportar, no entanto em horário comercial, faixa de 8 a 12 horas, é possível ter uma jornada aceitável de tolerância. E para imóveis perto das cabeceiras, o impacto seria ainda maior, e mais uma vez reforçando a necessidade de desapropriação. 

Em todo perímetro das pistas, foi considerado a inserção do máximo possível de arvores para amenizar o impacto sonoro nas redondezas.

Ouça abaixo uma película com sons de alguns aviões

Sons de Aviões - Aviões Variados
00:00 / 00:00

Poluição sonora impacta diretamente na saúde das pessoas

Perda de sono, perda da audição, hipertensão e doenças cardiovasculares

O Terminal

 

O Projeto do terminal tem muitas complexidades, e apresentá-las com coerência, de forma que o leitor consigas compreende-lo é um grande desafio, irei inciar a apresentação descrevendo o conceito formal e funcional do terminal, de forma que inicialmente consigamos descrever resumidamente os nossos partidos arquitetônicos, a seguir irei descrever em segmentos cada fluxo de pessoas, e seus caminhos possíveis, visto que é um projeto de múltiplos interesses, dependendo do objetivo, os caminhos e motivações serão diferentes e eventualmente se cruzarão.

Ao fim de tudo trarei as plantas de cada pavimento na íntegra.

Evolução da forma:

 

Minha principal intenção era acomodar uma forma orgânica, de forma que esta contextualizasse com o entorno, sem criar uma concorrência agressiva visualmente, queria um volume delicado, que fizesse uma composição harmoniosa e equilibrada com o que já existe no entorno, dando valor a esta vocação das curvas naturais da cidade de maricá, que basicamente é compostas por lagoas, colinas, e muita vegetação, natureza em toda sua capacidade ali manifestada. E esta forma arquitetônica deveria ser eficiente dentro de um ponto de vista técnico, ou seja, dentro de tudo apresentado até aqui, deveria ser implantada em uma distância segura e com a melhor logística, a nova via deveria se acomodar a esta forma, como se fizesse parte da arquitetura e que ainda tivesse fluidez para o trafego de veículos e para o público massivo que se deslocaria por ali diariamente.

A forma que encontrei para equilibrar todos estes pontos foi pensar no volume como se fosse uma parte da própria terra que existe na cidade, que seria apenas feito 2 cortes e elevada de forma que service de cobertura para as pessoas que estivessem no terminal, a terra acolheria as pessoas que procurassem pelo abrigo, seja por estar de passagem ou por visita, a pessoas faria parte da cidade por uns instante. E na evolução deste conceito cheguei a conclusão que o movimento não poderia ser linear em sua extensão, a forma vista do topo também precisaria ser leve, de forma que meio que empurrasse o fluxo de veículo e pessoas para os seus objetivos.

Rua Ivone dos Santos Cardoso

Estacionamento

747 vagas

Rodovia Projetada

o Terminal

O estacionamento foi ajustado ao que sobrou do terreno na melhor maneira possível para que obtivesse uma quantidade de vagas aceitável pelo público que o aeroporto iria receber, ao total de 747 vagas confortáveis e com cobertura de placas fotovoltaicas em desenho orgânico simulando ondas do mar, como as praias e lagoas da cidade que tocam nas colinas.

Ponto

Comercial

Ponto

Comercial

Acesso 02

Guarita

Guarita

Acesso 01

Terminal

Uma Arquitetura

Orgânica, tal como

a cidade e sua identidade.

Maricá, uma cidade de mar, lagoas, cachoeiras e florestas.

Terminal

Acessos ao Terminal

 

O terminal tem sua acessibilidade como prioridade, ele precisar ter aberturas visíveis, intuitivas e bem posicionadas logisticamente, conforme mencionado anteriormente no conceito projetual, precisamos incentivar em cada decisão do projeto o automatismo fluido, onde as pessoas em fração de segundos possam decidir para que lado irão se deslocar.

Resolvemos criar uma faixa exclusiva para taxis, para que possam encostar em frente ao aeroporto para embarque e desembarque, e nesta faixa se encontrará o acesso ao chekin do aeroporto, alguns metro a frente fica o ponto do ônibus, para a mesma finalidade, acesso aos portões de chekin (embarque), portões de desembarque e acesso ao elevador do hotel.

A leste do Aeroporto criamo um acesso ao térreo, este tem um foco maior para pessoas que estão vindo a pé do centro da cidade de Maricá.

A Oeste também existe acesso, mas este é já no primeiro pavimento, o pedonal deve seguir na calçada, que vai subindo em rampa gradativamente até o 1º pavimento.

No térreo possuem 2 acesso voltados para o estacionamento, exclusivos para dar agilidade, e com elevadores e escadas rolantes sempre próximos a estas entradas, e com sinalizações que direcionam para que visualmente já consigam fazer a leitura do objetivo de sua procura.

Acesso

Térreo x Estacionamento

Acesso 1º Pav.

Ônibus, Taxis, Bicicleta

Pedonal

Carga/ Descarga

Lixo e Correios

Acesso 1º pav.

Chekin Aeroporto

Embarque, Taxis

Acesso 1º pav.

Desembarque, Taxis

Acesso 1º pav.

Hotel

OESTE

LESTE

NORTE

SUL

Acesso Térreo x Via Pública

Ponto de Ônibus

Faixas Exclusivas de Taxi

Acesso 1º pav.

Desembarque, Taxis

Acesso Térreo x Estacionamento

O conceito do projeto conforme já foi mencionado no texto aqui apresentado, precisa ter uma linha equilibrada entre os fluxos (movimento de massa mais automatizada, de pessoas com pressa) e os espaços de fixo (de pessoas que só querem visitar, conhecer, acompanhar), e dado esta tentativa de criar um equilíbrio, o acesso pelo chekin, em sua maioria será feito por pessoas que irão para viajar, estarão com pressa e querendo fazer o chekin e despachar as bagagens da maneira mais rápida possível.

E por isso criamo uma pátio aberto, com pé direito triplo, e com duas linhas de atendimento, a esquerda e a direita de quem entra, fazendo com que a leitura da companhia a procurar seja rápida e intuitiva, e para reforçar esta visibilidade, as paredes deste trecho são em ângulo agudo se fechando a proporção que se entra, ou seja, todas as companhias ficam em perspectivas de forma que da porta de entrada seja possível ler todos os letreiros sem caminhar.

E como este angulo também cria uma flecha imaginária em direção a pista ela se torna bastante influenciativa, onde ela meio que seduz o visitante deste ambiente caminha em direção ao painel de vidro que dá para as pistas de decolagem e portões de embarque.

No centro do Chekin criamo um prisma, que se integra com a cobertura que tem a função de clarabóaia que trás iluminação natural para o parque que está no térreo, e ao mesmo tempo cria este conceito natural dentro desta estrutura super moderna. E este prisma ainda cria uma situação de fixo no seu final, próximo aos portões, um espaço vazio para se apropriar para despedidas ou mesmo para ficar parado apreciando as pistas fora do caminho dos apressados. O grande objetivo é fazer com que as pessoas que queiram apenas pegar o avião e viajar consigam fazer isso o mais rapidamente possível, de forma intuitiva e automática.

Acesso RJ104

Lojas

Lojas

Lojas

Lojas

Lojas

Desembarque 02

Desembarque 01

Chekin

Acesso Cidade

PLANTA BAIXA DO 1º PAVIMENTO

Nível 8,00m

Elevador

Hotel

Espaço de fixo

Rampa desce Terminal 01

Acesso portões

 01 ao 12

Rampa desce Terminal 02

Acesso portões

13 ao 19

Calçada

Via exclusiva de acesso de taxi

Faixa de estacionamento de Taxi

Faixa para carros de Passeio e saída de Taxi

Faixa  livre

Mão invertida sentido RJ 104

Mão sentido centro

Prisma / Parque

Escadas Rolantes

Escadas Rolantes

ângulo agudo

ACESSO

DETALHE DO CHEKIN

Nível 8,00m

Pavimento intermediário- Salas de Embarque e Desembarque

Após descerem as rampas do chekin chegarão ao pavimento intermediário, este pavimento é no nível de 5 metros em relação ao estacionamento, este nível foi definido para que fosse possível ter um nível aceitável de diferença entre o andar do chekin e acesso direto as aeronaves por pontes telescópias (Finger).

Como estas salas de embarque são voltadas para o sul, praticamente em todo o período do dia não haverá incidência de sol, e por isso resolvemos que todas as salas seriam em vidro, favorecendo a visão para a pista e a para a lagoa de Araçatiba, no entanto, como as salas de embarque são em arco, alguns trecho recebem no fim do dia o sol, e por este motivo colocamos alguns brises entre os vidro, dando a proteção solar e ao mesmo tempo criando uma fachada ventilada, criando um bolsão de ar, que minimiza o uso do ar condicionado central.

Neste espaço haverão alguns pontos comerciais, como lojas de souvenir, importados e lanchonetes, pois é muito comum haver atrasos e o tempo de espera minimo geralmente é de 1 hora, e estas salas precisam ser confortáveis.

É preciso frisar que aeroportos são projetadas com o máximo de segurança para seus usuários, por isso ao final da rampa existem as esteiras de raio x, e em caso de suspeitas de irregularidades os envolvidos serão encaminhados para a cabine da policia federal ali próximo, que irão solicitar esclarecimentos.

PLANTA BAIXA DO PAVIMENTO INTERMEDIÁRIO

Nível 5,00m

Polícia Federal

Raio X

Loja

Loja

Loja

Quiosque

Quiosque

Após a fase de embarque, existem também os passageiros que estão chegando, e o fluxo de interesses é diferente, precisam ter um caminho separado, e com base nisso, todos os portões tem acesso a rampas de esteira rolante, próximo dos painéis de vidro, estas elevam estas pessoas para o nível 8.00m (nível do chekin), para serem encaminhadas para as salas de desembarque por passarelas, onde irão retirar suas malas das esteiras automatizadas. estas passarelas também servirão de embarque da tripulação, lhes darão acesso ao elevador que irá levá-los até a antecâmara, no portão de embarque, pois estes precisam ser os primeiros a entrar nos aviões.

Rampa desembarque sobe

Finger

Passarela

Tripulação

Sala de Embarque

Antecâmara

Elevador Tripulação

Logística-Manutenção-Bagagens

A criação desta torre com elevador e antecâmara não foi apenas para dar acesso exclusivo ao avião, mas serviu também de apoio estrutural para as sala que tem balanços bastante grandes, e ainda serviu como saída de segurança para os passageiros que estariam na sala de embarque, podendo descer para a parte de baixo pelas escadas enclausuradas, esta parte de baixo tem acesso direto para a rua pela região dos depósitos. E tudo informado para o terminal 01, se aplica também ao terminal 02.

O Térreo

Este pavimento também terá uma grande multiplicidade de interesses, vou destacar inicialmente o caminho das malas, pois  partir do Chekin, as malas descem através de esteiras e ficam estocadas e organizadas eletronicamente, até a hora do voo, e da mesma forma, de forma totalmente automatizada as malas são direcionadas para serem transportadas até próximo do avião, quando funcionários do aeroporto retiram da esteira e colocam no compartimento de carga do avião.

Estas malas que descem de forma eletrônica não passam pelo raio X da sala de embarque, então neste trecho estas malas passam por 3 filtros, o primeiro de raio x, onde o primeiro examinador verifica algo suspeito, em caso de suspeita vai para o segundo examinador, e se for confirmado a suspeita, o proprietário será chamado até a policia federal na sala de embarque, que possui elevador exclusivo ao departamento de fiscalização de bagagens, para que a mesma seja aberta e vistoriada na frente do proprietário, para impedir a viajem com drogas, contrabando ou produtos perigoso segundo código da aviação civil.

Próximo a este depósito de bagagens, ficará o compartimento de cargas, que serão enviados por transportadoras, estas chegam no aeroporto por caminhões e passam pelo raio x logo no primeiro portão, a seguir são armazenadas até o momento do respectivo voo.

Acesso Estacionamento

Acesso Estacionamento

Elevador

Hotel

Parque

Acesso Centro da Cidade

Acesso Transportadoras

Carga e descarga do comércio

Lixo

Bagagens

Bagagens

Depósito 

de Cargas

Acesso a

escadas e Elevadores da sala de embarque

Loja

Loja

Parque

Parque

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Raio X 03

Raio X 02

Raio X 01

Polícia

Federal

Cães Farejadores

Acesso a Gerência

Depósito de Bagagens Automatizado

Depósito de Bagagens Automatizado

Malas

sobem para Desembarque

Malas Descem do Chekin para 

Viajem

Carga e descarga de Transportadoras

Carga e descarga do

Comércio

Caminhões

de Lixo

Lixo

Agência dos Correios

Vias de Carrinhos monta carga

Depósito 

de Cargas

Carga e descarga de Transportadoras

com permissão de tráfego na pista

Reboques de bagagens

Reboques de bagagens

Acesso

salas de embarque

Acesso

salas de embarque

Acesso

salas de embarque

Controle de Acesso

Acesso a Gerência

Esteiras automatizadas

bagagens

PLANTA BAIXA DO TÉRREO

Nível 0,00m

O Parque Natural

A criação do parque natural foi uma das premissas bases do projeto, o contexto da cidade sugere uma reflexão sobre uso e apropriação dos espaços naturais que são ricos na cidade, com isso, se torna praticamente impossível se criar qualquer espaço de permanência sem levar em consideração esta vocação e criar algo que crie esta relação de identidade do povo com sua paisagem, e no caso do aeroporto não poderia ser diferente, criamo um grande parque natural na área desapropriada ao redor do aeroporto, e este parque adentra ao terminal de forma bastante incisiva, criando jardins naturais e lagos artificiais que criam um ambiente confortável e harmonioso, convidando o usuário de espaço à permanecer no espaço.

Esteiras automatizadas

bagagens

Reboques de bagagens

Quiosque

Acesso elevadores

Hotel

Mezanino

1º Pavimento

Cobertura

Quiosque

Quiosque

Quiosque

Quiosque

Quiosque

Quiosque

Quiosque

Lago 

Lago 

Lago 

Paisagismo

nativo

Paisagismo

nativo

Paisagismo

nativo

Paisagismo

nativo

Paisagismo

nativo

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Loja

Acesso Estacionamento

LADO TERRA

O Mezanino

Esta área do aeroporto foi totalmente direcionada para o entretenimento, uma total imersão e tentativa de recriação do estilo de se usar espaço público que é comum na cidade em 2 regiões bem próximas, a praça do skate, que fica lotado de quiosques, e também a praça central, onde todos os bares e restaurantes espalham mesas e cadeiras no espaço público durante a noite criando uma grande praça pública de alimentação.

Para reforçar este interesse, alem da vista do aeroporto e lagoa, criamos um cinema de 2 salas, de forma que é possível aproveitar o tempo com alguma atividade alternativa e fomentar ainda mais a permanência nesta grande área de entretenimento.

PLANTA BAIXA DO MEZANINO

Nível 16,00m

LADO AR

CORTE ESQUEMÁTICO TRANSVERSAL- NÍVEIS

01
05
06
03
04
02
07
estacionamento
projeto andar tipo 01
projeto andar tipo 02
projeto andar tipo 03
projeto andar tipo 04
projeto andar tipo 05
projeto andar tipo 06
"Não hesite em entrar em contato, adoramos falar sobre arquitetura e teremos imenso prazer em atendê-lo..."
Facebook

© 2017 by Leo Mattos

Proudly created with archprogetti.biz

Contato
Blog
archprogetti@outlook.com
021 2215 2274
021 99963 5341 (whatsapp)
Please reload

Social
  • https://www.instagram.com/leoarquite
  • Grey Facebook Ícone
  • Ícone cinza LinkedIn
  • Cinza ícone do YouTube
  • Grey Blogger Ícone
projeto andar tipo 03